sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Matéria inanimada em corpo vivo

Desde que conheci o seu corpo,
não imagino mais ninguém me despindo

Mesmo que eu não saiba traduzir
suas risadas
de felicidade
e ironia

Mesmo que eu me irrite,
é um deleite te escutar

Abrindo a boca no meu pescoço
e brincando com a minha paciência

Você
nu
encostado na porta do banheiro
é profano
é celeste

Você
seria meu
se Deus quisesse

Meu cheiro impregnado na tua cama
te faz 
mais homem
e me faz menos verdade

Meu gosto na tua barba
me faz pedir piedade
Piedade por não saber
viver isso direito

Acho que preciso ir à Igreja
pois estou no ponto de confundir
intervenção divina com possessão diabólica

Você me nutre de impulsos,
como arrancar pedaços da sua pele
com os dentes
E depois desenhar com o dedo
no sangue que escorre
sob a tela das suas costas

Mas todos sabem 
que não sei desenhar

Dou-te então, 
meu cadáver prematuro
para você desenhar 
nosso romance geométrico.

(Sob uma forma milimetricamente calculada que possa dar certo)



7 comentários:

  1. Posso dizer um palavrão? (caralho!)
    Eu te li como fosse eu, como se fosse o meu homem, o meu amor! Li cada palavra tendo-a como verdade. Ual, dessa vez você me deu um soco no estômago.
    E eu gosto demais dessa imagem.

    ResponderExcluir
  2. Pelo que pude ver, outro já está te dando inspiração. Viva a poesia, Helen! Um ano novo se aproxima com novos personagens...

    ResponderExcluir
  3. Pode não saber desenhar, mas que escrever é teu maior dom, com certeza é.
    Adoro tudo isso! Mesmo quando não há imagem alguma, você ilustra em seus versos, tudo maravilhosamente bem!

    Beijoo'o

    ResponderExcluir
  4. A imagem é... perturbadora! Assim como sua poesia. Não dá para ficar indiferente.

    É um prazer indescritível te ler.

    Beijos Helen e tenha um excelente 2015, repleto de poesia.

    ResponderExcluir
  5. Isso tudo é o meu amontoado de inquietude e desassossego dito em outra vida, outra dor, outro amor, outra morte.

    Eu sempre que saio só posso dizer: Obrigada! Pois mexer na ferida é talvez poder vê-la de fora.

    ResponderExcluir
  6. Absurdamente lindo essas suas palavras que sempre deixam meu coração todo coisado!

    ResponderExcluir