quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Descarna essa minha vontade de ser sempre só

Lá fora
sirenes buzinas 
gritos latidos
Tudo anuncia continuidade,
apesar de tudo
A incerteza
sempre tão segura de si,
ao contrário de mim
Desculpe, meu bem...
Eu até gosto de ter nascido assim
Assim, medíocre
e condizente 
com a minha desgraça particular
Você é tudo o que quis encontrar
e me encontrou primeiro
De alguma maneira, deixou-me
primeiro, também
Os outros homens,
tão comuns e enlatados
Você, tão alegremente enlutado...
Me desespera tanto
Por isso se parece comigo

O que eu não gosto em mim
aprecio em você.



9 comentários:

  1. "O que eu não gosto em mim
    aprecio em você"
    como se fossem um o encaixe (per)feito para o outro...

    ResponderExcluir
  2. Poxa! Perfeito... Fiquei sem ação, estupefato, nesse caso recorrente e sempre inédito de paixão mal resolvida, fulminante, incontida, que transborda pelos olhos, por todos os poros, pela alma dissolvida a escorrer pelo chão. E, como se não bastasse, andas arrasando nos títulos ultimamente, Hellen.

    ResponderExcluir
  3. Tão comuns e enlatados...
    Sempre mais do mesmo.

    ResponderExcluir
  4. Helen, tu tem um jeito de Maria Madalena que se acabasse o mundo hoje e se salvassem teus poemas, a relação entre pais e mães, seriam as ideias.
    Saudações.

    ResponderExcluir
  5. Helen, suas paixões sempre tão literárias e apreciativas.
    Obrigado por mais este poema!

    ResponderExcluir
  6. "Teus medos são minhas coragens
    Minhas dúvidas são tuas certezas...."

    ResponderExcluir
  7. Caramba, que imagem é essa Hellen? Parece que saiu direto da minha memória.

    A sua inspiração para esse poema veio de alguém real ou de um personagem onírico? A minha impressão é que você está vivendo um romance tão intenso quanto verdadeiro, estou errado? Essa é a impressão que suas últimas poesias me passam, se não quiser responder entendo rs
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagina, Vitor... Respondo sim.

      Então, a inspiração vem de alguém real... E tens razão, estou vivendo o romance mais intenso/absurdo/bonito.

      O que causa medo e poesia.

      Beijos.

      Excluir
    2. Que legal!! Aproveite o máximo!!! ;-)

      Excluir