domingo, 22 de fevereiro de 2015

Poema diabético

Ao mesmo tempo
que eu queria 
que ninguém soubesse 
de nós
Eu quis também
publicar nossa paixão no jornal
Queria que se tornasse viral
esse sentimento bonito
Colar panfletos em todos os postes da cidade
com os nossos nomes dentro de um coração
Podíamos virar tema de palavra-cruzada
dentro dessa vida emaranhada
Pichar os bancos das praças e telefones públicos
Seríamos os mais bregas banais e pueris apaixonados
A vergonha e a inveja alheia
Nos definiríamos um para o outro como metade da laranja
e juntos nos conheceriam como Glicose
Também quis que ninguém nos soubesse,
pelo mistério de gostar assim
sem plateia
sem comparações com outros casais
sem frescuras matinais
Quis que ninguém soubesse
que por você eu deixei a solidão pra lá
mas até quem me vê passar
sabe que estou indo te encontrar
Agora quero que você saiba,
(com os outros sabendo ou não)
deitar na cama escutando sua respiração,
é respirar melhor.


30.01.2015

7 comentários:

  1. Teu carinho, teu zelo...
    Todos os poemas que saem dessa paixão, tudo tão belo e bem construído.
    Que cara de sorte!

    ResponderExcluir
  2. Respirar melhor é te ler, mesmo que isso me tire todo o fôlego!

    ResponderExcluir
  3. Gosto do jeito peculiar com que você organiza seus sentimentos e ideias e os transforma em belos versos.
    Eu nunca gostei de "anunciar" relacionamentos, gosto de guardar pra mim, mostrar só pra quem realmente se importa. rs


    Beijo

    ResponderExcluir
  4. "... deitar na cama escutando sua respiração,
    é respirar melhor." Tão passional, tão intencional. Ótimo!

    ResponderExcluir