sábado, 14 de março de 2015

A carnificina está atrás das minhas pupilas

   Por que você tirou o revólver da gaveta? Eu já não posso ser um perigo eminente, eu nem morri e os vermes já acamparam em mim. Você sujou a casa toda de lama e eu joguei minha alma no chão para você limpar os seus pés. Mas acho que ela já estava encardida o suficiente. Minhas unhas estão caindo, uma por uma. Meu cabelo já bordou o lençol do travesseiro. Você nada vê. Você prefere falar sobre o arco-íris com as cores invertidas do que discorrer sobre nossa vida em preto e branco. Me pede para beber menos café, me pede para dormir melhor, mas não me impede de sentar à beira do precipício.
   Você cuida de mim do modo mais torto e bonito, fazendo de conta que não posso me autodestruir e te destruir junto.Você é a única pessoa que não reclama da forma como abro a caixa de leite, e isso é tão raro. Mesmo possuindo uma sensibilidade pontiaguda, lhe aceito assim por não querer ser machucada por mais ninguém.
   Se meu corpo não estivesse tão cansado, eu tiraria a roupa agora e dançaria em cima de você, até fazê-lo gozar. Amo o seu pau. Se eu soubesse pintar, o enquadraria numa tela renascentista, que até Michelangelo sentiria inveja. Seu pau deve ser a sua coisa mais importante. Perdoe-me, mas já quis sua parte mais importante dentro de um vidro em conserva na minha mesinha de cabeceira, é importante para mim também. Algo não cheira bem... Você tirou o lixo para fora?
   O revólver não pode ficar dentro daquela caixa embaixo da cama. É perigoso, escolha outro lugar. 



11 comentários:

  1. Todo esse suicidio, esse amor louco, essa doença que cheira a leite estragado é tão poesia quanto todo o seu romance. Você é linda, mulher. Teus dramas também.

    ResponderExcluir
  2. Triste, pesado e perturbador da forma mais delicada, bem descrita e única, que é só tua (e que nos alcança tão profundamente).

    ResponderExcluir
  3. A segunda primeira parte fíxome pensar como o amor é unha autodestrucción que non podemos evitar desexar.

    A segunda parte deixoume noqueado xD

    ResponderExcluir
  4. Hellen, eu fico estarrecida e encantada com tuas linhas. me fez lembrar de um outro poema teu, que tenho como preferido. O "João aflora minha loucura."
    Você é demais!!

    Beijoo'o

    ResponderExcluir
  5. A linha tênue entre o amor e a obsessão se torna ainda mais turva em suas linhas Hellen. Sensacional!

    ResponderExcluir
  6. AI MEU DEUS!
    Hellen, Hellen..
    Teu texto me acelerou o coração, fez brilhar os olhos e surgiu um sorrisinho de lado. Encantador! A mistura das belezas autodestrutivas na medida certa, resultado no meu agradecimento.

    ResponderExcluir
  7. Menina, tu sabes bem como dar ares doentios e ao mesmo tempo amorosos a um texto. Muito bom! Provocante, delirante, sufocante.
    Gostei demais. Parabéns!

    Meus blogs literários:
    O Poeta e a Madrugada (Contos e Poesia)
    Dark Dreams Project (Contos de suspense e terror)

    Abraços!

    ResponderExcluir
  8. É evidentemente claro como esquartejar um corpo. Mas quantos pedaços tem a alma?

    Ps. Não é masoquismo, há de entendermos que partes de nós precisam deixar de existir para que o nosso todo possa seguir existindo.

    ResponderExcluir