terça-feira, 26 de maio de 2015

Não pintarei mais as minhas unhas da cor dos seus olhos

Você vai ser 
bem mais amado
Eu também

Homens beijarão meus pés,
mas também construirão muros
para que eu me bata 
e assim desconstrua cara e coração

Não importa se agora queiramos este amor
A vida nos decreta direções contrárias
para não nos ver em um sonho bom

Cansamos de nos despedir, porém, 
toda vez parece a primeira vez
E nunca sabemos quando vai ser a última

Declaramos o nosso amor todos os dias,
na intenção de Deus nos ouvir,
e não nos tornar personagens épicos 
de alguma estória tragicamente desgraçada

Desgraçados já somos,
quando perguntam-nos
se estamos bem e dizemos fatidicamente, sim
e ainda acreditam

Mentira mal arquitetada convence mais 
do que uma verdade nua

Não, não estamos nada bem
Mas ninguém se importa

Então foda-se você
Foda-se eu
Ficamos de fora mais uma vez
da contemplação que deve ser
quando se vive uma estória bonita.

3 comentários:

  1. Belo poema, tem uma mensagem que me fez refletir. O pior é que é assim mesmo.

    Voltei a escrever no blog!
    Veja lá! http://rickyoz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Poxa... Fico assim... Atordoado... Titulo incrivelmente escolhido e elaborado, poderia ser maior eu nem me importaria, sobreviveria independente do poema. Poema, então... Deliciosamente original, forte, contundente. Cada palavra, cada verso carrega uma expressividade, uma plasticidade única, descomunal. Só tu é assim, guriasinha. Adoro!

    ResponderExcluir
  3. Poema tão surreal quanto triste...
    Não sei se ele vai ser bem mais amado por outra pessoa como é lindamente amado por você.

    Você o escreve para nós, como ninguém nunca o fara.

    ResponderExcluir