quarta-feira, 22 de julho de 2015

Como dissera Manuel Bandeira, foi um buraco na minha vida

   Continuo a pensar em ti, como quem lustra o maior dos desesperos, o segurando com uma única mão. Tu me esqueceu com a capacidade de quem sabe desamar em nanossegundos. Sempre um esquece primeiro, quem dera fosse eu... Sem querer, querendo, eu saio me desintegrando em mãos desconhecidas só pra tentar me reconhecer. Chorei um rio inteiro depois do primeiro homem que beijei quando tudo entre nós findou-se. Quando beijei o segundo homem, gostei. 
   E senti medo. Porque vislumbrei tal esquecimento, como se fosse possível te arrastar para as profundezas da insignificância, somente para não acabar comigo. Tu não regressarás, nem por mim, nem por nada... Mesmo se o fizesses, não seríamos mais nós, pois, todo esse tempo sem tua presença fez-me ausentar-me de mim. Se tu voltasses, não terias mais eu pra ti. 
   Sendo assim, farei o que terceiros dizem-me. Guardarei o que foi bom, tentando lembrar menos até tudo se curar aqui dentro. Tu és meu amor mais dolorido-mentiroso-e-desleal. Não vou guardar muitas coisas boas não. Que pena, tu foste só olhos bonitos.


12 comentários:

  1. "Se tu voltasses, não terias mais eu pra ti."

    Com essa frase, você sintetizou o grande dilema dos relacionamentos que já terminaram, o cerne do fim.

    Sensacional te ler.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oh Deus, tão, mas tão real pra mim, que doeu...
    Adoro o q tu escreves, sempre!

    ResponderExcluir
  3. A vida vai passando, e acabamos nos perdendo no tempo...
    Muito bom!

    ResponderExcluir
  4. Olhos azuis... são tantos os que são apenas isso e só.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Belos e mentirosos olhos verdes, só isso.

      Excluir
  5. Tu és uma das melhores escritoras que eu conheço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bah, com um elogio desses só me resta seguir escrevendo. <3

      Excluir
    2. E tem que continua mesmo! O bom gosto, a originalidade, os leitores, a posteridade agradecem, surpreendente guria. 00:56, agora, bom Descanso!

      Excluir
  6. Esse post, texto, poema, foi tudo ... tem todas as sensações e declarações - as tuas e da Carol, olhos são só isso, hehehe ... adorei. Mas olhos inspiram mais que só isso. E tu deve continuar,porque o Murilo esta tomado de razão no que disse.
    Abraço e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um abração, Ney. Obrigada pelo carinho de sempre.

      Excluir
  7. Gostei do texto. Gostei da ilustração. Sentimentos fortes, né? E a for da pele. Relembrar esses sentimentos que já passaram... e como passarinho que vem na janela só pra lembrar, o quão azul tu mergulhaste naquele mar de olhos e depois, depois foi. Voo? Pousa nas tuas linhas e escritos, moça. E belo repousar aqui no teu blog.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  8. Não há amor que se esqueça, você coloca de lado, diminui, alguns até encontram paz. Mas sempre fará parte, pois esquecer alguém é esquecer-se também.

    ResponderExcluir