quinta-feira, 19 de novembro de 2015

De mim para eu mesma

   Antes de tudo, preciso dizer-lhe, dizer a nós mesmas, que a vida pode ser bonita mesmo quando tudo dói. E doer é bonito também. Entre tantas lágrimas e momentos desesperados, por toda a poesia que você julga ser desperdiçada com pessoas que não parecem ter âmago, por toda a dor escrita, sentida, e matada no peito... Você mesma desistindo, é capaz de suportar o que lhe é infligido, porque é uma pessoa boa e linda por dentro. Seu imenso complexo de inferioridade não é o bastante para ocultar sua alma maravilhosa, seu senso de justiça e sua compaixão pelo mundo. Suas crenças e descrenças diárias lhe fazem mais humana e até mais remota. 
   Continue então amando, se apaixonando, se atraindo desgraçadamente por si mesma e pelo outrem, seja ele quem for, merecedor ou não. Pois você é a grande merecedora de sentir sentimentos grandiosos mesmo que abismais. No seu coração cabe além da poesia que julga ser terapêutica e acolhedora. No seu coração cabe você, eu, que sou você também. Eu sou você, então posso dizer que ser você, dói a maior parte das vezes, de uma dor maldita, que nos obriga a chorar em busca de consolo celestial. Os Deuses não parecem querer nos desculpar, por seja lá o que tivermos cometido. Mas sabemos que desde o momento em que passamos a usufruir tal pragmatismo, nossa ignorância foi ter amado, amado todos os segundos. Com exaustão. Com poesia. Com medo. Com entrega. Amamos de qualquer jeito, inventamos o nosso jeito. 
   E Helen, não nos culpe pelo seu coração vivo e pulsante e autodestrutivo. Ele tem vontade própria. Ele pode nos devorar. Então não se culpe. Você vai escrever até o fim, você vai doer até o fim. Vai doer sempre. A vontade de se jogar da ponte mais próxima ou de ter uma overdose, vai voltar pelo menos quatro vezes na semana para dizer olá. Pode ser que nosso final seja no fundo do rio ou que sejamos encontradas com uma expressão serena em cima da cama, eternamente desacordadas da vida. Mas pode ser também que morramos de tanto amar, amar errado, amar certo, amor moído, amassado, tripudiado, rejeitado, escalavrado... Mas amar talvez seja o verdadeiro significado de viver. 
   Então você não está apenas existindo como há muito tempo supõe. Escreva. Escreva nas paredes do seu quarto, nosso quarto. Escreva atrás da porta do banheiro. Escreva nos telefones públicos e bancos das praças. Escreva em guardanapos e nas nuvens. Escreva com o dedo na terra. Escreva com os olhos no peito de Deus. Escreva pelo amor louco da adolescência, escreva pela paixão da outra cidade, escreva pela atual atração do outro lado da cidade, escreva. Escreva até te surpreender com a tua não-dor, como Caio nos disse. Escreva sobre as cenouras que desgostamos, sobre os tristes pássaros mortos nas calçadas em que já passamos. Escreva sobre você, que sou eu. Escreva sobre mim, que te amo e acho que nunca digo. Escreva sobre nós, múltiplas nesse 1,52m. Somente escreva.

9 comentários:

  1. Dói menos a dor que se deixa doer.
    GK

    ResponderExcluir
  2. Escrever sempre ajuda, até quando não temos mãos.

    ResponderExcluir
  3. Tuas palavras são conforto pra quem se vê nelas.
    Escrever acalma a dor de quem escreve e de quem lê. Já é algo grandioso, mesmo que não pare de doer.
    Você esbanja poesia. Teu coração, grande, é muito bonito, moça. E merece todo o cuidado.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  4. Você é um pouco de mim ou eu sou um pouco de você?

    ResponderExcluir
  5. Ao passar pela net afim de encontrar novos amigos e divulgar o meu blog, me deparei com o seu que muito admiro e lhe dou os parabéns, pois é daqueles blogs que gostaria que fizesse parte de meus amigos virtuais.
    Pois se desejar visite o Peregrino E Servo. Leia alguma coisa e se gostar siga, Saiba porém que sempre vou retribuir seguindo também o seu blog.
    Minhas cordiais saudações, e um obrigado.
    António Batalha.
    http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  6. Escreve sempre mais e melhor que antes, escreve com dedos suados do amor no gozo, com a vontade de dizer que teus versos são como teclas de piano, em diversos tons e sons de vida e de morte. Digo isso,porque penso que alguns de nós, quando te lê,meio que vive e morre.
    Alegrias.

    ResponderExcluir
  7. O amor mesmo quando inventa de ser dor, é a melhor coisa que podemos sentir. O espelho serve para nos lembrarmos dos porquês. Converso sozinho todos os dias.

    ResponderExcluir