sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

João é doença

   Você pode sentar nas pracinhas das fotografias e pensar nas madrugadas em que lia minhas poesias, e me dizia querer saber escrever coisas como eu. Você e toda a sua psicologia, querendo me colocar contra a parede até eu admitir ter escrito uma bela ilusão. Você sentia-se incapaz de inspirar um coração... Você pode continuar a esconder seu rosto nas mesmas fotografias, mas eu lhe vejo como ninguém. Diabólico, mas sem pretensão. Você não quer mudar o mundo, você só quer ser o João. O cara mais louco e sem rumo, que eu coloquei dentro do meu coração. Você me deu tanta segurança, se eu tivesse aceitado me daria seu corpo, papel para toda e qualquer poesia... Mais do que poesia e corpo, eu quis sua alma. Você adentrou aquele dois mil e doze, mas eu só lhe quis em dois mil e treze. Ah, seus olhos marginalizados, por você eu cometi um crime: escrever demais. Eu lhe escrevi na palma da minha mão, na parede do meu quarto e nos banheiros públicos mais fétidos da cidade... 
   Você na minha cabeça, vestindo uma camiseta branca e descansando um cigarro na boca. Você no outro lado da linha reclamando daquele frio de maio, rindo, bocejando, sendo tão menino. Você era tão meu, não sendo. Você é mau, isso sim. 
   Você pode não lembrar mais de mim, nas pracinhas ou em novas fotografias, tanto faz.... Essa paixão maldosa nunca vai ser esquecida. 



quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Cada um com o seu João

Os dias me pediram 
para escrever sobre João
[Peço licença 
para a minha nova paixão]
João não morrerá aqui
Ele não beijava meus pés,
nem pisava nos mesmos
João admirava meus calos 
e até fazia graça da aflição
Não massageava pés
e nem ego
''João'',
eu gosto tanto de escrever esse nome
Como se de cada letra, 
eu absorvesse a poesia necessária 
para perfumar as flores da cidade
João, mantém sua presença
nas nuvens mais carregadas
e na ausência mais indolor
João me esqueceu
só para eu lembrá-lo
em cada nova dor.

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Poema diabético

Ao mesmo tempo
que eu queria 
que ninguém soubesse 
de nós
Eu quis também
publicar nossa paixão no jornal
Queria que se tornasse viral
esse sentimento bonito
Colar panfletos em todos os postes da cidade
com os nossos nomes dentro de um coração
Podíamos virar tema de palavra-cruzada
dentro dessa vida emaranhada
Pichar os bancos das praças e telefones públicos
Seríamos os mais bregas banais e pueris apaixonados
A vergonha e a inveja alheia
Nos definiríamos um para o outro como metade da laranja
e juntos nos conheceriam como Glicose
Também quis que ninguém nos soubesse,
pelo mistério de gostar assim
sem plateia
sem comparações com outros casais
sem frescuras matinais
Quis que ninguém soubesse
que por você eu deixei a solidão pra lá
mas até quem me vê passar
sabe que estou indo te encontrar
Agora quero que você saiba,
(com os outros sabendo ou não)
deitar na cama escutando sua respiração,
é respirar melhor.


30.01.2015

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Versos para desafogar

Isso é tanto...
Feito sopro de vida

Mas ainda insisto em me afogar
num copo d'água

Vagalume a percorrer a escuridão no campo
O pequeno ponto de luz logo se apaga

Isso pode acabar daqui a pouco
Como quando acaba o feijão no jantar

Me explica do que é feito o seu amor
Enquanto eu fecho os olhos para não chorar.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Aprendi depressa a me sujar na sua paixão limpa

Somos os pontos que nunca se ligam,
porque não queremos revelar
imagem alguma
O contorno dos nossos corpos 
enroscados na cama 
vai virar uma imagem desfigurada
Porque a ressonância dos dias que passam
desfragmenta tudo
Eu sinto fome de exatidão,
a mesma exatidão que não nos alcança
Você pode povoar meu inferno,
eu posso descansar nas suas trevas
Mas nada nos é suficiente
Também pode escarrar na minha cara
e eu lamber o seu rosto
Ainda assim seremos cúmplices 
Eu lhe odiando com força,
você rindo de mim com leveza
A impressão que revelamos - sem querer
é o desajuste 
o absurdo 
é essa paixão 
que não se contenta só com isso

Você me contenta
mas não é o suficiente.







sábado, 14 de fevereiro de 2015

Pelo amor ao Masoquismo

Salgo a comida por amor
Bebo chá fervendo por amor
Me mutilo
Me autossaboto
Me odeio
Me esqueço no frio
Me derreto no calor
Gosto de quem não gosta de mim
Gosto de quem vai embora
Gosto de quem não me lê
Gosto de quem lê e não me entende
Eu mesma não entendo porra nenhuma
E gosto do desgosto
de não saber como é gostar de mim
Assim,
sem doenças
neuras
histórias
e acasos
Gosto de não saber como é ser saudável
Gosto do erro,
e de ser errada
Sou a ovelha mais colorida da família
e mesmo assim em mim só enxergam
as escurezas.

26/01/2015

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Descarna essa minha vontade de ser sempre só

Lá fora
sirenes buzinas 
gritos latidos
Tudo anuncia continuidade,
apesar de tudo
A incerteza
sempre tão segura de si,
ao contrário de mim
Desculpe, meu bem...
Eu até gosto de ter nascido assim
Assim, medíocre
e condizente 
com a minha desgraça particular
Você é tudo o que quis encontrar
e me encontrou primeiro
De alguma maneira, deixou-me
primeiro, também
Os outros homens,
tão comuns e enlatados
Você, tão alegremente enlutado...
Me desespera tanto
Por isso se parece comigo

O que eu não gosto em mim
aprecio em você.



segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Se tu soubesses como machuca, não amaria mais ninguém

Há algumas horas você foi embora
Não de mim, mas da cidade
E eu queria saber expressar
mais do que em palavras
o que sinto agora
Não sei como vai ser amanhã,
mas ainda vou estar apaixonada
pelo cara mais engraçado
e ridiculamente bonito,
que apareceu na minha poesia
Dono do riso mais chato e cativo,
você precisa saber que hoje eu derramei pesar
por todas essas avenidas,
depois que lhe abracei pela última vez
Hoje eu sou mais triste do que um pássaro
morto na calçada
Pois minha felicidade, voou contigo.

Vou lutar por você
Depois vamos dividir a exaustão
a agonia
a distância
Voltaremos a dividir a cama
e
a vida.



Título: Pelo interfone - Cícero

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Deus não sabe escrever romances

Temos alguns dias apenas
Depois ninguém sabe
Nem eu, nem você
Acho que nem Deus
O mesmo que acredito
ter escrito essa história toda errada
Para eu ser a pessoa mais idiota e errante

Das coisas que escrevi já lhe disse todas
Que fico na sua casa quando vou embora,
que o som da sua risada deveria tocar no rádio
e o cheiro nosso 
que fica nas suas cobertas é o meu preferido

Fico deitada, tocando em suas mãos
[já sentindo saudade]
No intuito de gravar cada sensação 
e relevo do seu corpo
Te faço poesia,
me fazendo abismo

Você vai acabar comigo
Eu vou acabar com você
Vamos criar buracos 
dentro de nós
e nomear com o nome um do outro
Vamos beber e vamos nos esquecer
[por algumas horas]

Você vai tocar aquelas músicas tristes 
no violão
e sem querer vai ser mais um 
que parte meu coração

Eu vou escrever profundidades nossas
e vou te magoar por estar tão distante

Vou seguir te escrevendo 
até quando você não tiver mais 
tempo
nem interesse
pelo que não cansarei de dizer:

Gosto tanto de você.