terça-feira, 30 de junho de 2015

É pra você que eu corro - sempre

Você desanuviou o céu pesado para que pudéssemos olhar para o alto sem receios. Eu viveria para sempre na sua brisa de homem lírico, se eu não me obrigasse a escrever sobre...
Sobre meu encanto latente por seus olhos de azeviche e suas mãos esculpidas por Deuses. O destino equalizou seu timbre para tocar no meu despertador. Dor, a mais bonita senti por você, João. Porque você nunca teve a intenção de me machucar. Eu que grudei o dedinho do pé numa quina qualquer e nunca mais sarou. Mas como você bem sabe, dizer isso hoje não estragará nada, que já não esteja podre há muito tempo. Creio que todos que passam e se vão da minha vida, sempre me direcionam até você. Até você que algemei em meus melhores poemas, que não conhecem a modéstia, pois, levam seu divino nome.
Você nunca me deixa, e como já escrevi outrora, você ressurge quando mais preciso de paixão. Paixão de verdade, que arde mas fica. Obrigada, por merecer o meu corpo e meu desassossego, dormir no teu peito apaga o tempo que não foi bom.

terça-feira, 23 de junho de 2015

O amor sempre me estapeia a cara por culpa de quem sentiu pouco

Seguirei escrevendo
sobre todo e qualquer amor
que revigora e devora a alma com gosto
Porém, os raios de Sol acariciam minha pele,
fazendo-me desejar outro amor
Outro amor que possa ser escrito
atrás da porta de algum banheiro público
Não escrito no papel higiênico,
enquanto você cagava planos de um futuro perfeito
Até o nosso amor virar merda...
E entupir o vaso, o nariz e as artérias.

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Não, eu não sou o seu amor

Se eu fosse o seu amor
você se importaria
Se eu fosse o seu amor
não me enganaria
Se eu fosse o seu amor
sua mãe não se meteria
Se eu fosse o seu amor
você não me esqueceria
Se eu fosse a porra do seu amor
eu sentiria
Se eu fosse o seu amor
você me ligaria agora
Se você soubesse amar
alguém além de você
eu acreditaria
Se eu fosse o seu amor
amor me daria
Se eu fosse o seu amor
um homem de verdade você seria.