quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

...

Não sei aonde você se esconde
quando não lhe vejo em estacionamentos
e correndo no fim de uma sexta-feira quente

Você sumiu dos bares
Das noites
Mas não dos meus poemas

Mesmo que eu conheça cem homens
e escreva sobre mais dez
Nem um possui sua vulgaridade estonteante

Ninguém desperta em mim
essa paixão descomunal

Que faz eu desgostar de Tim Maia
Só por saber que você o escuta 
pensando em outra pessoa

Eu penso em você 
quando algum outro me põe a faca no peito
Corta meu coração a lâmina
somente por não se interessar 
em conhecer a Adélia Prado

Tim disse por você 
que ela partiu e nunca mais voltou

Tim disse por mim 
que meu coração pensa
que não vai ser possível

Mas toda vez que eu olho...








sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

A pior forma de solidão é o sexo sem amor

Preciso de um abajur novo. Lembrei que não tenho um abajur. Quando nos beijamos tocou Nando Reis no seu carro. Mas você desligou o som, talvez por achar que era demais pra nós dois. Não queria escrever sobre isso. Mas a música pedia para você cuidar bem de mim, misturar tudo dentro de nós. Depois só pude ouvir sua boca estalando na minha pele. Será mesmo que ninguém vai dormir nossos sonhos? Você some da minha vida e eu sempre torço para ser a última vez. Eu brigo, eu maldigo, peço para você apagar meu número. Duas semanas depois estou lhe procurando bêbada às 6 da manhã. No mesmo dia nos avistamos numa avenida abarrotada de carros e transeuntes. Você não diz nada. Eu juro não lhe querer nunca mais. Mas sonho com você, escuto amigas dizendo que você não me merece, mas que talvez daqui há um mês me procure como se estivesse tudo bem. Você sabe que o tempo não faz as coisas ficarem bem. Já lhe disse isso. O tempo está me dizendo que algum hábito meu o desagradou. Meu hábito de querer atenção.

Título: Nelson Rodrigues



quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Solidão é coisa séria e ela também se esconde, não menos esplendorosa, em pequenas e descartáveis histórias como a nossa


Durante o processo de esquecimento 
qualquer mera lembrança 
rodopia 
insinuando-se

No domingo você lembra 
que o jogo de futebol 
do time dele passará na tv

Na segunda-feira um carro 
igual ao dele 
cruza há duas quadras 
e suas pernas recriam um terremoto

Na terça-feira entre às 19 ou 20h 
lembra que ele está na academia

Já na quarta-feira ele deve 
estar procurando algo na Netflix, 
ou no Tinder

Na quinta-feira ele abrevia a cerveja 
com os amigos 
num posto de conveniência, 
percorre a agenda do Whatsapp 
e envia uma mensagem 
para a pessoa mais acessível 
do momento - Já fui essa pessoa

Na sexta-feira você lembra 
que ele vai trabalhar escutando um jazz 
no último volume, 
consequentemente, lembra que 
ele disse um dia 
ter gravado uma playlist 
da Billie Holiday para você, 
mas nunca escutaram juntos

Na madrugada de sexta 
para sábado, você imagina que 
ele pode estar transando 
na garagem de casa 
com alguma mulher 
mais jovem que você - como vocês já fizeram

Toda semana você lembra
Que ele era a sua alma gêmea
- Mas só na cama
E que ele personificou o cara mais maduro 
só por querer ver a sua calcinha
Enquanto você queria que 
ele visse seus poemas
Sem se assustar.



Título: Ele precisava ser longo, pois, Tati Bernardi se doeu ao escrevê-lo por mim.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Ruge pra mim, feito felino. Me fere com a verdade de querer-me na medida do possível.

Eu escorreguei na nudez dele
E meus pés descalços temeram esmagar qualquer chance
De libertação
Que o tatear captasse 
dentro daquele quarto escuro
Dizíamos coisas disformes
Porque não nos importávamos com mais nada
Gonzaguinha poderia rasgar sua voz no rádio
Que continuaríamos inteiros
Dissimulando disfarçando escondendo
Sem revelar jamais
Que poderíamos sim
Caber numa conta de mais
Descendo ladeiras
Vislumbrando um céu de chumbo
Escrevendo sobre a solidão embaixo do viaduto
Em qualquer circunstância
Eu não sei me fazer interessante
para quem me interessa
Quem me despe não me olha
Quem me olha não quer me tocar
Queria que ele soubesse ficar
E fizesse uma planta brotar na minha face
Tão selvagem e impalpável
Áspera e cortante
Só para retratar o contrário 
do que sou por dentro
Por dentro eu sou azul
Ele saberia disso se ficasse.


























Arte: Agnes Cecile

sábado, 14 de janeiro de 2017

Precipita tua fome e reconheça-me como Senhora D. Derrelição. Obscena.

Lembro
Enquanto assisto televisão
Saio para passear
Ou me vejo à toa

Lembro
Do cheiro
Da boca
Das mãos

Do teu peso sobre mim
E da leveza que de mim sai
E paira sobre o ar

Tu pareces
não valer muita coisa
Talvez caiba
no meu orçamento

Diz não ser o homem
que eu penso
Mas eu penso em tantas coisas

Meu interesse se alastra
A repulsa
por essa causalidade também
Meu corpo te quer
Porém, eu cansei de ser
teu subterfúgio

As artimanhas
para me emaranhar nesse desejo
São tão vis quanto deleitosas

Tu sabes como eu gosto
Eu sou mera aprendiz

Me deixa queimar
dentro dessa fixação inflamável
E lembre do meu nome
em meio às chamas

Me chama.


Título: Referência a Hilda Hilst

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Um poema que perdeu tempo

Outro caso
Que levamos com descaso
Nosso medo de nos envolver
De acabarmos seduzidos
Você me deu prazer
Eu lhe dei prazer
Mas nosso Sol em Libra dramatizou tudo
Eu lhe toquei com
carinho
fome
exatidão
Você me tocou com
afeto
desejo
despretensão
Não fomos nada inocentes dentro dessa atração
Você gemendo nos meus ouvidos
Eu vou lembrar em outras camas que eu deitar
Eu batendo na sua porta às 5 da manhã
Você vai lembrar
enquanto tentar conhecer outras mulheres
As brigas
Palavras difusas
Você me querendo num dia
- E repetindo infindáveis vezes -
No outro fala pra eu não mais procura-lo
Acabou tudo
Que tudo?
Não tivemos nada
Suas camisas que sujei de batom
Meus cabelos decorando o chão da sua casa
Logo isso vai ser, nada
Você queria que eu escrevesse sobre isso,
só não sabia que ia ser o final.

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Menino, deus urbano, neto do sol.

                               [com você eu tenho mesmo que me conformar]



   Ele gosta de beijar homens. E ele queria um lugar que pudesse beija-los e ser visto sem pudor e espanto. Ele quer beijar homens durante o dia, longe das quatro paredes e longe do breu da noite. Ele é um desses caras, extremamente bonito que a mãe cobra dois netos e que arruína mulheres com seu perfume e olhar por entre óculos escuros ao cruzar a avenida. Ele quer beijar outro cara, mas ele arquitetou um personagem para si mesmo, aquele que vive nos bares se deleitando nos pescoços da juventude feminina da cidade. 
   Mas ele beija rapazes porque é o que mais gosta de fazer. Ele está beirando os trinta anos e só quer beijar outro homem em frente ao quiosque, ou dentro do mesmo bar que tenta ter uma ereção ao beijar uma mulher, duas mulheres por madrugada. Ele parte o coração das mesmas quando se deita com elas e faz tudo certo, goza e oferece orgasmos e afagos (e)ternos. Depois nunca mais. Ele continua vazio. 
   Este papel está lhe cansando. Ele quer beijar o seu rapaz no meio da praça central, depois encostar sua cabeça no ombro dele e suspirar após um dia de poucas vendas no trabalho. Ele quer que a sociedade entenda que ele gosta mais de ser penetrado do que penetrar. Mas ele penetra vidas e borra batons até o raiar do dia enquanto pensa que pode tentar fazer com que suas vontades sejam respeitadas mais tarde. Agora ele só quer ser o homem que beija mulheres como quem toca em algodão doce. Ele é doce, e há sempre alguém que se desfaça.

17/10/2016