quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

O amor que não dá certo sempre está por perto.

   Aquele ar saudosista está pairando por aqui, agora consigo notar as rachaduras dos velhos sobrados da avenida mais movimentada, a sensação é confusa. Mesmo assim, não pertenço a esse lugar. Mesmo se você tivesse me abraçado dentro do meu bar preferido, mesmo se você gostasse de mim... Eu teria que ir embora. Mas ao menos iria sabendo que morei no seu peito. Hoje lembrei da noite que limpei as lentes dos seus óculos com o lenço dos meus, e você me olhou com afeto. Sem imaginar que eu poderia fazer muito mais se você deixasse. Na verdade nunca irei esquecer de todas as pequenezas que constituíram os nossos momentos, mesmo que logo ali na frente você esqueça o meu nome. Até esse minuto presente posso dizer que ninguém me dilacerou dessa maneira, mas o meu coração partido eu sempre colei com poesia. E será sempre desse jeito. Mesmo que o seu jeito me assombre e me rompa em  diminutas partículas de açúcar. Você se desfez tanto de mim, não consegui escrever durante esses três meses, eu precisei desse tempo para sentir isso, sentir meu corpo se desfragmentando naquele evento abarrotado de gente onde outras mãos seguravam as suas mãos no centro da cidade, para todos verem. É compreensível a dor. Meus pés na água fria de Copacabana não esfriou a sua imagem na minha cabeça. Seu nome no meu celular após tudo isso, sua precisão epidérmica de mim espezinha minha crença em grandes pertencimentos. Você me procurou só para comprovar que essa minha paixão é mais elevada que o morro do Corcovado. Eu vou ir embora e você nem sabe, se soubesse não se afligiria pois seria desimportante não me ver nunca mais. Preciso ir, sobretudo para me conhecer e me amar. Para nunca mais gostar de quem me esconde, de quem diz que não pode me ver mais vezes, de quem numa noite me queima no colchão e me esquece no outro dia. Vou ir embora porque nunca mais quero sentir isso.


Título: Cacaso, no livro "Lero-lero".


sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Eu me curvo para essa primavera onírica

   Não haveria essa angústia no peito, pois você me enviaria uma mensagem no final da tarde dizendo que o dia foi corrido mas que mesmo assim pensou em mim. Nos veríamos amanhã, você me buscaria com uma música alta no carro e eu me sentiria tão aliviada por poder segurar sua mão enquanto você dirige. Vamos tomar sorvete no calçadão? Eu sempre escolho doce de leite com ameixa, você chocolate. Você nunca liga por eu terminar o meu por último, até derreter e virar nas pernas. Você acha graça. Eu acho graça de viver assim sabendo que você é por mim. Você me passa o controle remoto, me deixa escolher o filme todas as vezes e depois ri, diz que sempre escolho um filme louco. Toda vez que você sai da cama, me dá um beijo no braço. Eu floresço por dentro. Você dorme, eu contorno as sardas das suas costas. Não consigo dormir, não quero estragar esse sonho. Nesse sonho você sabe pedir desculpa, e é sempre delicado. Nunca piegas. Nesse sonho você fala que eu sou um achado. Você é o melhor que já me tocou. Nossa vulgaridade é sempre poética, você me come como ninguém. Na minha cabeça toca Buckley e Fraser no escuro do seu quarto quando te beijo antes de ir embora. As pessoas que passam dentro dos seus carros durante a madrugada e nos avistam na sua sacada sabem, que somos envoltos por essa adoração sagrada, mesmo que obscena. Mordo seus lábios e essa paixão dói em mim, de tão viva. 

Não é real. 





domingo, 21 de outubro de 2018

Três meses foi ontem

O que eu faço 
com a vontade 
de procurá-lo 
depois de você passar por mim 
na avenida e 
colocar a cabeça para fora do carro 
como se nunca 
tivesse me visto antes?
Pensei em você toda a semana
como se fosse possível 
chamá-lo em pensamento
Você me desespera 
sempre quando penso 
no quão difícil é esquecer
Morro de medo de ir embora 
e enxergar um carro igual ao seu 
e trazê-lo de volta 
em outra avenida
em outra cidade
em outro estado
Eu lembro da saliva quente
das mãos quentes
da forma como um suspiro 
faz sua boca se transformar 
na letra O 
do meu jeito preferido.

Arte: Tina Maria Elena




quinta-feira, 4 de outubro de 2018

Para ler ouvindo: Arctic Monkeys, Do I Wanna Know? (cover Dua Lipa)

não consigo
eu vejo o teu carro 
em todas as avenidas da cidade
tem sido tão penoso
te busco nos bares
farejo teu cheiro 
em outros pescoços 
as semanas escorrem 
com a minha saudade de ti
fazemos aniversário no mesmo dia
poderíamos dividir o bolo
e dividir a cama até o raiar o sol
nunca vi o teu rosto numa manhã ensolarada
eu nunca serei a tua menina preferida
mas não deixo ninguém me tocar
para não apagar as tuas mãos em mim
como fujo dessa doença?
eu sou a garota para rir na tua cama
não para afagar teu rosto num velório.

domingo, 26 de agosto de 2018

Pousa nos meus lábios o peso da sua degradação

Eu não queria ter beijado mais ninguém 
depois de você]
mas pensar no último beijo 
durante todo o mês foi corrosivo demais
Eu não queria estragar 
a imagem na minha cabeça
do homem por quem tenho paixão
segurando meu rosto 
e me transmitindo borboletas
pela boca
Mas assistir a sua ânsia 
em me afetar na noite passada
me fez beijar outro homem
só para lembrar de algo mais leve
Você adentrou num limite ardiloso 
brincando de 
quem se divertia melhor
quem sorria mais
Em poucas horas 
você me afastou milênios 
e nunca saberá
Não quero lembrar mais de você
Você está me doendo como nunca.


quinta-feira, 2 de agosto de 2018

Não é nada

   Não importa quanto o tempo passe, eu nunca vou entender como você consegue me deixar ir embora. Toda vez que eu subo as escadas do seu prédio meu coração é ferido à faca. Parece que eu vejo nós dois lá do alto, no seu quarto, na sua cama... Como se não existisse telhado, como se fosse possível eu ver nós dois errando no instante do erro. Você falando vulgaridades no meu ouvido, e eu rindo como se o choro estivesse distante. Eu amo o seu cobertor, amo a sua tv, amo sua mão percorrendo o meu corpo enquanto pouso minha cabeça no seu peito. Amo quando você beija o topo da minha cabeça, como se eu fosse fácil de ser amada. Eu te escuto e não te aprendo. E olho pra você sabendo que o amanhã não existe pra quem vislumbra o outro assim desse jeito. Te falo dos meus planos de mudar de cidade, de escrever um livro e tentar não sentir saudade. Você me fala sobre morarmos juntos só para tripudiar em cima do meu querer. No minuto anterior falou que não pode me ver mais vezes para não se apegar. Só que eu fiquei sabendo que você chegou de mãos dadas no velório do seu avô ano passado. Eu poderia tê-lo conhecido se você não me escondesse do mundo dentro do seu quarto durante esses dois anos, enquanto mente ser uma alma livre. 
   Tenho mesmo que me livrar de você, você me faz sentir uma pessoa medíocre. Larguei os meus amigos no bar para ir vê-lo no meio da noite, você só queria ver o celular, porque flertar com outras mulheres enquanto há uma mulher nua na sua cama lhe faz gozar melhor. Já falei demais, já me expus demais. Coloquei meu coração num prato para você degustar melhor. Por que você me faz perder tempo? Apagar o meu número do seu celular foi meu desespero e alívio maior. Mas eu já decorei o seu. Me vesti em silêncio, a sua inquietação era gritante, perguntou três vezes se eu estava bem, ser monossilábica pelo jeito lhe fere. Sentei na cama, retoquei o batom com a mísera luz da televisão, você observando cada gesto meu. Fui me olhar de corpo inteiro no espelho do seu guarda-roupa e você perguntou como rasguei minha meia-calça... Foi você. Você também rasgou o meu coração, meu bem. Voltei a sentar na cama, apertei as tiras dos meus sapatos, você atravessou o seu lado preferido da cama e veio para perto de mim, olhou nos meus olhos e disse que lhe deixo sem saber o que pensar, sem saber o que fazer. Falei para continuar fazendo o que sempre fez. Nada. 
   Será que é tempo que lhe falta para perceber? Eu falei nos seus ouvidos que você vai se arrepender de me perder. A vida também sabe ser cruel. Eu vou esquecer das sensações primitivas, do desejo, dos arrepios, do fogo mútuo, do quão infinito pareciam os degraus da sua escada enquanto eu descia correndo para tentar fugir disso, e você atrás de mim querendo quebrar o meu silêncio. Eu fui embora da sua casa, de você, de mim, mais uma vez. O taxista se tivesse um lenço me emprestaria, me induziria a chorar naquela hora. Mas até agora o choro está entalado na garganta, a lágrima presa nos olhos. Mais uma vez isso acabou comigo. 


Arte: Tina Maria Elena



domingo, 22 de julho de 2018

Sobre o desalento de gostar assim

eu acho que agora acabou
pela vigésima vez nesse ano
eu pedi tanto para você sumir da minha vida
mas se você acatar
eu adoeço
eu enlouqueço
e apedrejo seu carro
picho a fachada da sua casa
se você sumir 
não sei o que farei desse fim
no último final de semana
te vi naquela festa
fingi a noite inteira que não te conhecia
enquanto você me olhou a noite inteira
sabendo bem a louca que eu sou
bebi sorri dancei 
e você ali
pela primeira vez na vida me percebendo 
depois de tanta coisa dita
e muito silêncio apodrecido
acho que deixar você ir
é me ter de volta.