quarta-feira, 2 de setembro de 2015

O exagero me comeu

Olho suas fotografias e me dá vontade de lambe-las
Você é uma vertiginosa tentação contida num poema de Drummond
Quero mesmo lhe assustar com todas as minhas palavras incontidas
Posso lhe enviar poemas aos domingos?
Juro que meu problema maior é ser eu mesma, 
fora isso, só a irracionalidade me abrange
Eu estou encantada, Dionísio 
Qual das mulheres da cidade não estaria?
Você é moço bonito e sabe disso
Mas suponho que não são todas que podem lhe despir 
(só com os olhos)
Eu tive o deleite de percorrer o seu corpo, 
como quem corre uma maratona e não se cansa
Mas agora sinto fome do seu cheiro da sua pele dos seus olhos de gato
E lhe quero mais uma vez, só para essa atração acabar
Antes que acabe comigo.


Título: Mônica Montone

6 comentários:

  1. Eu leio teus poemas, me dá vontade de bebe-los, sinto cheiro de vinho em teus poemas. Sugiro que você escreva teus poemas em vinhos. E que bebamos todos, felizes a alegria com teus versos.
    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Qualquer coisa que nos leve adiante, nos alimenta alma.

    Que gosto bem descrito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu preciso tanto ir adiante, essa inspiração tem renovado meus conceitos sobre a brevidade.

      Obrigada por sua presença aqui.

      Excluir
  3. É incrível como se despe com total entrega aos seus poemas Helen. É um deleite ainda maior, após adquirimos maior contato, acompanhar o desenrolar da sua vida em forma de arte. Tudo o que você me conta com ar confessional, vejo, aqui, em forma de música.
    Sensacional!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo carinho e pela sincera compreensão! <3

      Excluir
  4. Demaiiiisssss!!!!!!!!!! Poetisa em profusão! Respira, exalas, suspiras, poesia, pro todos os poros! Ex-ce-len-te!

    ResponderExcluir