quarta-feira, 8 de março de 2017

Me chama. Me toca sim, mas me cuida.

Você disse que sentia a minha falta
E eu fui correndo
Pois a minha saudade era tanta
Nos emaranhamos em desejo e ternura
Como se não existisse distância

Seu cheiro de roupa limpa
Sua expressão de sentidos bagunçados
Passear pelo seu corpo
brincando nas sinuosidades

Eu sempre volto pra você
Eu sempre me deterioro por você

Eu apodreço em suas mãos
mesmo que você me colha na hora certa
Nunca serei madura dentro desse declínio 

Você me abraça e o mundo não para
E eu padeço pelo excesso de realidade

Você não é meu

Eu sou a sua pequena, viu?
Você disse isso nos meus ouvidos
e eu consinto

E te sinto,
na medida que você me permite.

6 comentários:

  1. Muito do que você escreve sou eu e a minha entrega a um amor terrivelmente doce e cruel onde ainda permaneço.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Eu sou sua pequena, viu?

    http://lixopsiquico.blogspot.com.br/2017/03/eu-sou-sua-pequena-viu.html

    ResponderExcluir
  4. O amor é a única guerra em que vence quem se entrega.
    GK

    ResponderExcluir
  5. Que lindo, que intenso. Um querer despojado, desapegado, sublime, puro, autêntico. Beijos, Guriazinha.

    ResponderExcluir
  6. Eu sou sua menina, viu? E ele é o meu rapaz.
    Meu corpo é testemunha do bem que ele me faz.

    Bem ou mal, brinca comigo, ri do meu umbigo e me crava os dentes... Eu usaria Chico inteiro e seu amor com jeito manso só dele para te comentar hoje.

    Você é poesia. Sem mais.

    ResponderExcluir