sábado, 15 de outubro de 2016

A grande mentira que ele era, era verdade.

                                                          Sugiro que leia escutando Olhos nos olhos, na voz de Maria Bethânia.




   Lembro da madrugada que eu estava no bar e entreguei uma carta para ele e logo depois o vi beijando uma menina, quis chorar e saí pra fora, liguei para uma amiga às 4 da manhã dizendo que queria voltar lá e pedir minha carta de volta. É engraçado, mas dói bastante ainda. Sabe quando acontece algo ruim e você pensa: Daqui há um ano estarei rindo disso.
   Um ano depois, não estou rindo. Porque foi algo pesado. Sou apaixonada pelo que inventei dele, a única coisa que é real são aqueles olhos verdes famintos. Ele é o homem mais lindo da cidade. Não digo só pela aparência, mas a maneira como ele anda e se porta, o jeito que ele pisca os olhos... É lírico. 
   Eu o reconheço de qualquer jeito e isso me entristece. Vê-lo andando distraído pelas ruas dessa cidade acaba comigo. Porque eu me distraí escrevendo sobre ele e agora não há nada. Nunca houve, apenas migalhas. Mas eu me agarrei tanto nisso. Ainda sonho com ele e acordo me perguntando o porquê. Calcanhotto perguntou para que servem as ruas, e eu também gostaria de saber. Mas para que serve esse desgosto com gosto agridoce na boca? Por que digo seu nome na intenção de me salvar? 
   Não posso lhe trazer de volta para minha vida cada vez que o vejo no outro lado da rua sorrindo para o estrago. Me sinto uma criança de 5 anos que só quer sair correndo sem perceber que vai tropeçar nos próprios pés. Eu sempre tropeço por ele.

Obrigada, Caio Fernando... Pelo título.


8 comentários:

  1. O a quem do querer é só projeção do "autocadê?" de um num nó coração.
    GK

    ResponderExcluir
  2. "Por que digo seu nome na intenção de me salvar?"

    Que entrega abismal!
    Senti como se eu o estivesse vendo no outro lado da rua e não pudesse correr, apenas por não conseguir.
    Eu não consigo me desvencilhar de uma história que tem ares da sua, assim mesmo... Dionísica! Dói e é lindo. Como vocês dois.

    ResponderExcluir
  3. Minha querida,
    que tudo isso seja apenas uma historia de amor longe dos teus sentimentos... mas se essas palavras, e sentimentos, forem teus, te ofereço o abraço mais profundo do universo.
    Nos apaixonamos, amamos... criamos e vivemos, do que vivemos do outro. E quando nos caimos em si, dói muito.

    Mais abraço.
    Mais abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai sarar com café, os Deuses precisam me desculpar por esta utopia.

      Aceito o abraço e este carinho todo! <3

      Excluir
  4. Leio o teu texto e logo me deparo com as frases no rodapé da página: Eu me diatraio. Eu me destruo.
    Ah, Helen... Que frases caberiam melhor para resumir o seu texto? Quantas vezes nos distraímos com fantasias de nossos caprichos e nos destruímos nelas?
    A tua escrita sempre me toca pela humanidade pura que flui dela. Toda palavra tua transborda sentimentos. Isso é lindo. Mas faço coro ao último comentário, desejando que esses parágrafos sejam mera expressão criativa tua. Pois tua alma, tão lírica quanto a do rapaz descrito aqui, merece todo amor e conforto que as distrações não sabem nos dar.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudade de você por aqui, de verdade!

      Quanto ao seu comentário, estou cheia de lágrimas... Não consigo responder a altura, só sentir.

      <3

      Excluir
  5. "Mas para que serve esse desgosto com gosto agridoce na boca? Por que digo seu nome na intenção de me salvar?
    Não posso lhe trazer de volta para minha vida cada vez que o vejo no outro lado da rua sorrindo para o estrago. Me sinto uma criança de 5 anos que só quer sair correndo sem perceber que vai tropeçar nos próprios pés. Eu sempre tropeço por ele."

    FENOMENAL!!! Você é qualquer coisa de indescritível, tenho dito! Só tu mesma. Beijos, Guria.

    ResponderExcluir