quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Me queira bem, meu bem.

Suas mãos
em volta do meu pescoço
enquanto se deleitava em mim - Eu lembro
Nossos suores
se transmutando em vontade
de sermos um só
Pelo menos por alguns segundos
Minha respiração embargada
nos ouvidos do único homem
que fez-me sentir
mulher
Seus olhos flamejantes
Me passando a sentença
de que juntos
Somos sim,
produtos inflamáveis
dentro dessa atração perigosa
Eu te quero tanto, homem
Deixa-me decorar sua nuca
com minhas marcas de amor marginal
Seja meu
Dionísio
Rodrigo
João
Seja o homem que me queira
e não precise de mais ninguém.



















Imagem: Nickie Zimov

sábado, 15 de outubro de 2016

A grande mentira que ele era, era verdade.

                                                          Sugiro que leia escutando Olhos nos olhos, na voz de Maria Bethânia.




   Lembro da madrugada que eu estava no bar e entreguei uma carta para ele e logo depois o vi beijando uma menina, quis chorar e saí pra fora, liguei para uma amiga às 4 da manhã dizendo que queria voltar lá e pedir minha carta de volta. É engraçado, mas dói bastante ainda. Sabe quando acontece algo ruim e você pensa: Daqui há um ano estarei rindo disso.
   Um ano depois, não estou rindo. Porque foi algo pesado. Sou apaixonada pelo que inventei dele, a única coisa que é real são aqueles olhos verdes famintos. Ele é o homem mais lindo da cidade. Não digo só pela aparência, mas a maneira como ele anda e se porta, o jeito que ele pisca os olhos... É lírico. 
   Eu o reconheço de qualquer jeito e isso me entristece. Vê-lo andando distraído pelas ruas dessa cidade acaba comigo. Porque eu me distraí escrevendo sobre ele e agora não há nada. Nunca houve, apenas migalhas. Mas eu me agarrei tanto nisso. Ainda sonho com ele e acordo me perguntando o porquê. Calcanhotto perguntou para que servem as ruas, e eu também gostaria de saber. Mas para que serve esse desgosto com gosto agridoce na boca? Por que digo seu nome na intenção de me salvar? 
   Não posso lhe trazer de volta para minha vida cada vez que o vejo no outro lado da rua sorrindo para o estrago. Me sinto uma criança de 5 anos que só quer sair correndo sem perceber que vai tropeçar nos próprios pés. Eu sempre tropeço por ele.

Obrigada, Caio Fernando... Pelo título.


sábado, 8 de outubro de 2016

des.co.nhe.ci.do (particípio de desconhecer)

                         Pessoa cuja identidade se desconhece; estranho


   Inventam datas para tudo, não é mesmo? Já pode virar feriado nacional o dia que você me deu o último beijo embaixo da chuva naquele fim de noite? Ah, já é feriado, de Tiradentes. Cê lembra? Essas coisas corriqueiras também deveriam sair no jornal. 
   Eu acho que te amo agora, porque depois de tanto tempo sem nos falarmos, sem nos vermos, sem querer, eu tirei o dia para pensar em você e escrever isso. Juro que troquei a estação do rádio agora e está tocando aquela música de quando eu te toquei pela primeira vez no escuro da sua sala. Queria que você estivesse lendo isso e me perguntasse que música é... 
   É, não te esqueço. Você me cortou e jogou sal nas minhas feridas e mesmo assim eu escrevo. Não consegui me apaixonar por outra pessoa, a cidade me embrulha homens mais vulgares que você e eu acho graça. Só em você achei poesia.



















Imagem: Demi McCulloch