sábado, 14 de janeiro de 2017

Precipita tua fome e reconheça-me como Senhora D. Derrelição. Obscena.

Lembro
Enquanto assisto televisão
Saio para passear
Ou me vejo à toa

Lembro
Do cheiro
Da boca
Das mãos

Do teu peso sobre mim
E da leveza que de mim sai
E paira sobre o ar

Tu pareces
não valer muita coisa
Talvez caiba
no meu orçamento

Diz não ser o homem
que eu penso
Mas eu penso em tantas coisas

Meu interesse se alastra
A repulsa
por essa causalidade também
Meu corpo te quer
Porém, eu cansei de ser
teu subterfúgio

As artimanhas
para me emaranhar nesse desejo
São tão vis quanto deleitosas

Tu sabes como eu gosto
Eu sou mera aprendiz

Me deixa queimar
dentro dessa fixação inflamável
E lembre do meu nome
em meio às chamas

Me chama.


Título: Referência a Hilda Hilst

8 comentários:

  1. Um querer de não querer. Do corpo impaciente à consciência latente, essa ardência nem as palavras domam.

    Sua vida é um dos mais pelos poemas que conheço, Helen!

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Tu pareces
    não valer muita coisa
    Talvez caiba
    no meu orçamento
    ( Eu que não quero pagar tão caro, acho que não vale apena).

    Vc pediu meu face aqui vai : https://www.facebook.com/Nathalia.flute?ref=bookmarks


    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Ler e reler incendeia o imaginário e leva ao deleite e ao prazer,
    de presumir que a gente te sente, enquanto você deixa fluir palavras da mente, como quem boceja ... adorei.
    Saudações!

    ResponderExcluir
  4. Você está escrevendo cada vez mais lindo... :)

    Bom te encontrar por essas paisagens...

    Abraço, flor...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu Deus! Quanto tempo, Tríccia!
      Obrigada, saudade da tua delicadeza ímpar. ❤

      Excluir
    2. Minha flor, saudades também de ti... fiquei imensamente feliz em cair aqui (por puro acaso) e me deparar com esses textos lindos... :)

      Depois vai lá no meu blog, me visitar... ficarei muito feliz com a sua presença!

      Abração...

      Excluir
  5. Velho, essa poesia falou de mim e do começo do meu amor. Cada verso, Helen! Você é boa demais nisso. Tua intensidade e tua suavidade se mesclam o tempo todo.

    Ainda bem que você escreve.

    ResponderExcluir